Como tocar Baião no violão?

O baião é formado pelo trio musical triângulo, zabumba e sanfona. Como tocar essa sonoridade do baião no violão?

O baião é sem dúvida um dos ritmos mais históricos e populares da música brasileira. Ele nasceu na região nordeste com influências que mesclam danças e cantos do lundu, trazidas por escravos de Angola, com as bandas de Pífano e músicas portuguesas, entre outros ritmos que moldaram a batida da diversidade cultural do século XIX.

Essa mescla de culturas que originou o baião ficou conhecida nacionalmente a partir dos anos 1940, graças a músicos como Luiz Gonzaga, Humberto Teixeira, Dominguinhos, entre outros símbolos dessa cultura arretada que ganhava o cenário musical brasileiro.

Em 1951, com o objetivo de buscar mais identidade para sua música, Gonzagão, deixa de usar apenas a Sanfona como instrumento, introduzindo também a Zabumba, triângulo e o Agogô, assim como no forró. E como transferir esses ritmos e levadas marcantes para as cordas do violão. 

Baião no Violão

Antes de aprender baião no violão, é preciso entender que existem diversas variações do ritmo. O baião cadenciado, uma das variações, é ideal para quem deseja se habituar ao ritmo no violão. Ele tem uma forma de tocar com ritmo mais lento, trabalhando o jogo da combinação entre o grave e o agudo, forte característica do baião.

Um dos instrumentos que dá mais balanço ao baião é a zabumba. Ela possui diferentes acentuações, e um dos mais tradicionais é o famoso compasso 2 por 4, como Paulio Celle demonstra na videoaula acima.

O baião cadenciado é feito em cima das colcheias, sempre acentuando o segundo tempo entre esses compassos. Esse acentuado grave é executado pelo polegar, responsável pelos baixos e sonoridades mais graves que compõem o baião.

Combinada com essa acentuação mais grave feita pelo polegar, as cordas são dedilhadas em colcheias para marcar o ritmo representado pela zabumba, e que dará todo o balanço musical do baião no violão, como demonstra nosso professor Paulio Celle.

Pode parecer complicado, mas transpor as ideias musicais do baião para o violão é mais fácil do que parece. Continue praticando e sempre busque ampliar seu repertório de ritmos brasileiros no violão.

Fique por dentro das matérias aqui do blog e aprimore seus conhecimentos musicai. Até a próxima!