Saiba tudo sobre a voz de Freddie Mercury

a voz de freddie mercury - planeta música - natalia capucim analisa a voz de um dos maiores astros do rock

Freddie Mercury era um cantor bastante inexperiente no início do Queen. Na banda que ele tinha na época da escola, ele era pianista, e não cantor, e por isso, muitas pessoas que conviviam com ele na época nem sabiam que ele podia cantar. Ele era mais conhecido pela sua habilidade de tocar piano que de cantor. 

Brian May descreve as performances de Freddie na banda Wreckage (banda de Freddie antes de formarem o Queen) como assustadoras. Ele corria pelos palco e berrava a plenos pulmões, diretamente na cara das pessoas da platéia. Brian e Roger não gostavam da voz nem da performance de Freddie a época. Quando Freddie se interessou por virar vocalista da antiga banda deles, a Smile, eles não acreditavam que ele poderia cantar, tanto que organizaram uma audição oficial e uma jam session para testar sua performance, apesar de na época, os três dividirem o mesmo apartamento. 

Brian e Roger não estavam muito seguros das habilidades de Freddie como cantor, mas eles entenderam rapidamente que ele teria ótimas ideias para apresentação da banda, sua performance no palco e no estilo das roupas. 

clique aqui

estude CANTO na escola de

Clique e estude canto com o Planeta Música. Aprenda assuntos e técnicas como impostação, interpretação, dobras, backing vocals, drive, vibrato, falsete, dicas de composição e muito mais. Comece agora por apenas R$29,90 e bons estudos!

Aos 25 anos, a voz de Freddie era doce e quase infantil, não era uma voz facilmente associada ao rock. Em 71, o Queen teve a oportunidade de gravar 5 músicas demo no estúdio de um amigo de Brian. Dá pra ouvir facilmente como Freddie soava jovem nessas fitas. 

A voz de Freddie melhorou a olhos vistos entre 1970 e 1977. Nesse período Freddie ganhou mais personalidade e extensão em suas performances e gravações. E em 79 pode-se perceber outra melhora, quando começa a ganhar mais potência. 

Enquanto a banda crescia e ganhava o mundo, a voz dele seguia ganhando potência e extensão. Nos anos 80 seus falsetes estavam em perfeita forma, e não havia motivos para que ele não fosse o cantor principal da banda. 

Freddie tinha 4 dentes a mais do que normalmente temos, uma particularidade que afeta cerca de 3% da população mundial. Ele decidiu não consertar seus dentes pois tinha medo de que isso mudasse o formato de sua boca e palato, mudando também suas ressonâncias e voz. Há uma lenda que ele tinha medo de ir ao dentista, mas isso nunca foi confirmado. 

Freddie bebia água e cerveja durante os shows, como pode-se ver facilmente em gravações dos shows vários copos em cima do piano. Ele também tinha o hábito de tomar uma mistura de mel quente com limão para aquecer a voz. Hoje sabe-se que esses hábitos nada fazem para a melhora da qualidade vocal, mas funcionavam para Freddie, mesmo que só psicologicamente. Sabe-se que a decisão final do setlist do show era dele exclusivamente, dependendo de como ele e sua voz estavam. 

O treinamento de música formal que Freddie teve foi durante sua infância e adolescência. Ele teve aulas de piano e cantava no coral, mas largou os estudos formais de piano pois não gostava de ler partitura, e conseguia tirar qualquer melodia que ouvia de ouvido. 

Claramente Freddie tinha extremo controle de sua voz, mesmo sem nunca ter feito treinamento formal. É difícil de explicar como, mas podemos criar algumas alternativas. Freddie sempre gostou de óperas, e ele as ouvia e cantava durante toda sua vida. Isso pode tê-lo treinado, aumentando sua extensão vocal e fortalecendo seus agudos e falsetes. Ele era um barítono (voz média da classificação vocal masculina), mas seus agudos tinham bastante potência e extensão.

Há um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Viena que descobriram que apesar de barítono, seus agudos eram potencializados pelo uso de subharmônicos graves, uma técnica na qual as pregas vocais vestibulares (falsas) vibram em conjunto com as pregas vocais verdadeiras, a qual Freddie Mercury executava com facilidade. Esses pesquisadores também analisaram a velocidade de vibração das cordas vocais de Freddie, que era mais rápida que as de um cantor de ópera, o que ajudava a manter a potência de seus agudos e a qualidade de seu vibrato. 

Outra habilidade de Freddie que o diferenciava dos cantores de sua época era o seu fraseado limpo e controlado, passando por dinâmicas suaves e notas projetadas na voz mista numa mesma música. Ele gostava de diferenciar as interpretações dos shows e das gravações, mostrando extremo controle de afinação e das musculaturas envolvidas no canto. 

Neste vídeo conseguimos ver como Freddie Mercury usava a técnica de apoio diafragmático, usando a respiração baixa, intercostal e abdominal. Ele pode ter aprendido essa técnica durante as aulas de coral, ou pode ter sido um aprendizado natural com o tempo de shows e gravações. 

E você, já pensou em cantar como Freddie Mercury? Então fica ligado nas dicas aqui do blog! Até a próxima.

Cadastre-se grátis

Acesse grátis o Masterclass

Uma aula que vai te ensinar a tocar bem mesmo sem ter tempo ou facilidade. Aproveite, é totalmente gratuito.

Natalia Capucim - Colunista Planeta Música sobre assuntos que envolvem canto e voz

Natalia Capucim

Formada em Canto Lírico pela UNESP (2012), e Teatro Musical pelo SESI-SP (2016), atua como professora de canto, cantora e atriz. Participou de montagens dos musicais “Company” (2014), “Into The Woods” (2015), e “25º Concurso de Soletrar” (2017). Atuou como preparadora vocal da montagem de “The Last Five Years” (2016). É professora de canto do Planeta Música.